Please wait while JT SlideShow is loading images...
CoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGaucho

Durante a Semana Farroupilha boleamos a perna no rancho do Bugre Xucro um missioneiro pura cepa que esta aquerenciado na cidade de Alvorada bem pertinho da capital Porto Alegre. Fomos recebidos com com a tradicional cordialidade sulista e passamos momentos muito agradáveis com este missioneiro da cidade de São Luiz Gonzaga, entre um chimarrão e um petisco de linguiça campeira cozida fomos proseando e ouvindo este índio cantar as coisas da nossa terra. O Bugre tem nas veias o sangue da raça missioneira e carrega na voz o eco do minuano soprando por entre as ruínas das missões e como todo missioneiro, carrega palanqueada no peito a cruz de dois braços mostrando fé redobrada e duplo orgulho de ter nascido no Rio Grande e ser missioneiro! Gosta de pajada e inclusive gravamos uma que ele fez para um piquete palanqueado na lagoa da Conceição - em Florianópolis. Conversamos sobre a falta de valorização que se dá a cultura, onde confunde-se divertimento (diversão) com cultura, proseamos também sobre a Família de  Jorge Guedes um grande musico missioneiro também da cidade de São Luiz que durante muitos anos vem lutando para manter vivo um festival Chamamecero que trazia musicos de todo o cone sul identificados com o ritmo e que por causa de incentivos e apoio esta morrendo, a família Guedes que vive a arte musical regional tem mantido quase que do próprio bolso o tal festival nos últimos anos.

O Bugre falou também sobre seu novo CD  "Sangue Abugrado" do qual gravamos algumas faixas ao vivo (veja no TV Coxixo), esteve soltando a goela lá pros lados de Rondonia - ficou abismado de tanto ver gaucho por aquelas bandas! Se sentiu em casa o indio velho! Desta tarde muito bem aproveitada, ficou a promessa de uma visita aqui pelos pagos de Itajai onde com toda certeza sua voz encontrará eco na garganta do gaúchos de coração que por aqui vivem.

 

 

Ademir Canabarro