Please wait while JT SlideShow is loading images...
CoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGaucho

UM "GUASCA" NO SHOPING!

- lá dentro era cheio de "bolicho"!

Desde a chegada eu já quase que me atrapalho...
numa espécie de “cancela”
tive que apertar um botão;
lá de dentro, com emoção,
uma voz macia assim falou:
- "que bom que você chegou
agora é só sacar o cartão
e pode guardar o automóvel",
- sim senhora, respondi eu!



Meio desconfiando, mas fui indo...
“palanqueei” meu “matungo”
num “bretesito' marcado no chão,
e a minha mulher me deu um beliscão
já me arrastando pras lojas,
daí senti meu pala em tiras -
na guaiaca tinha nada de sobra...
eram escassos meus pilas!


Lá avistei um baita “luzaredo” -
parecia um bando de vaga-lumes;
eu acostumado ao chão de mangueira
e com o cheiro de estrume -
lá dentro tudo perfumado,
reluzente, tudo brilhando, iluminado;
eu até faceiro, mas desconfiado,
fui ao "passito" adentrando
aos "pouquitos" me acostumando,
quando vi tava num daqueles “bolicho” -
tranquilo proseando...
alegre e “golpeando” um trago!


Sérgio Mathias Pereira
"dos versos que faço" - 23/09/12