Please wait while JT SlideShow is loading images...
CoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGauchoCoxixoGaucho

MOURA ROSILHA

Na minha vida de gaudério

já encilhei tropilhas de fletes

- vários pêlos,  várias raças -

no entreveiro, na 'fumaça',

ou em rodeios campo afora;

MEU TRABUCO DE TAQUARA

Antes tempos, quando criança,
ainda cheio de esperança
de ter o mundo por diante,
eu ostentava, com garbo e radiante,
um trabuco de taquara.

PALANQUE MESTRE

 

“em homenagem ao meu pai – Aldêbar Mariano”

 

Roliço ou falquejado -

De pau ferro ou de lapacho,

Na coxilha ou no banhado,

Não importa, permanece entonado

Jamais perde a altivez;

PONCHO GAÚCHO

Pelas frestas do meu rancho

o inverno mostra a fuça;

o vento faz escaramuça

e uiva para me amedrontar,

pensa que vou 'encorujar'

me 'amoitar' lá num canto;

não sabe que eu tenho um poncho

- relíquia, um verdadeiro manto -

herança de antepassados,

bem curtido, bem 'templado'

UM "GUASCA" NO SHOPING!

- lá dentro era cheio de "bolicho"!

Desde a chegada eu já quase que me atrapalho...
numa espécie de “cancela”
tive que apertar um botão;
lá de dentro, com emoção,
uma voz macia assim falou:
- "que bom que você chegou
agora é só sacar o cartão
e pode guardar o automóvel",
- sim senhora, respondi eu!